Mastopexia x mamoplastia: quais as diferenças?

mamoplastiaxmastoplastia

Você já ouviu falar em mamoplastia ou mastopexia?

Há vários tipos de cirurgias plásticas que podem ser feitas na região das mamas femininas, sendo possível aumentar, diminuir, levantar os seios e até mesmo reconstruir, trazendo vários benefícios à mulher. Uma das dúvidas mais comuns está entre os procedimentos de mastopexia e mamoplastia.

Afinal, qual a diferença entre os dois procedimentos? Qual é o mais indicado para cada pessoa? Quais os riscos e cuidados após a cirurgia? Esse artigo foi escrito para esclarecer suas maiores dúvidas. Então vamos lá!

Mamoplastia

Mamoplastia é uma cirurgia plástica que visa alterar o volume ou a forma das mamas, aumentando-as por meio da aplicação de silicone ou diminuindo-as por meio da retirada de tecido mamário. Do ponto de vista do cirurgião plástico, o objetivo final e criar um perfil mamário mais simétrico e esteticamente agradável a cada paciente.

Mastopexia

mastopexia é uma cirurgia que tem como objetivo reverter o caimento natural dos seios, reposicionando a aréola e a pele com flacidez, elevando as mamas até sua posição original, garantindo perfeição.

Quando é indicada a mastopexia?

A mastopexia está indicada para pacientes com flacidez de pele e caimento das mamas devido à gestação, envelhecimento e perda ou ganho excessivo de peso.

A técnica cirúrgica e o tipo de incisão são ditados pela forma e grau de ptose (queda) da mama. Existem 3 possibilidades de incisão da mastopexia:

  1. Periareolar (ao redor da aréola):a técnica periareolar, envolve uma incisão na aréola. Essa técnica é o procedimento menos invasivo que chega a um pequeno grau de elevação.

Por esse motivo, é indicada para pessoas com mamas pequenas  ou que necessitam retirar pouca quantidade de pele.

  1. Vertical:a técnica vertical envolve uma incisão em forma de “v” que se estende no contorno superior da aréola e abaixo da linha média da mama. Embora, seja levemente mais invasiva, este procedimento chega a um grau mais alto de elevação do que a periareolar isolada.

Por esse motivo, esse tipo de incisão é indicado para pessoas com flacidez de pele leve a moderada.

  1. Formato “t” invertido: a técnica em “t” invertido envolve uma incisão que se estende no contorno superior da aréola e lateralmente na porção inferior da mama. Embora seja o tipo que resulta em cicatrizes maiores da mastopexia, essa técnica chega a um maior grau de elevação.

Por esse motivo, é indicada para pessoas com mamas que apresentam ptose mamária acentuada.

Quais os riscos da cirurgia?

Assim como todo procedimento cirúrgico, há riscos na mastopexia. Porém esses riscos não são elevados quando seguida todas as orientações médicas.

Os possíveis riscos e intercorrências neste tipo de cirurgia poderão ser:

  • cicatriz desfavorável na mama;
  • sangramento – equimose ou hematoma;
  • infecção;
  • má cicatrização das incisões;
  • alterações da sensibilidade do mamilo ou da mama, que podem ser temporárias ou permanentes;
  • riscos da anestesia;
  • contorno e forma da mama com irregularidades;
  • dor, que pode ser mantida durante algum tempo;
  • possibilidade de necessitar de realizar um novo procedimento;
  • entre outros.

Depois da cirurgia você deverá tomar alguns cuidados:

  • não ingerir bebidas alcoólicas, doces e frituras. Esses alimentos acabam por contribuir com processos infecciosos.
  • evitar movimentos bruscos com os braços nos primeiros dias após a cirurgia, não fazendo esforços para carregar pesos ou levantar os braços.
  • as mamas deverão ser massageadas por pelo menos 4 vezes ao dia, todo dia. A massagem pode ser feita com as próprias mãos.

Existem vários outros detalhes e contraindicações relativas que podem adiar a cirurgia. O mais adequado é uma avaliação com um bom cirurgião plástico para discutir todas as suas dúvidas sobre a cirurgia e a anestesia.

Deixe um comentário